Blogagem coletiva: Melhores viagens em família Vou viajar: Blogagem coletiva: Melhores viagens em família

23 de fevereiro de 2015

Blogagem coletiva: Melhores viagens em família

O grupo do Facebook Viagens em Família lançou uma blogagem coletiva em que cada um deveria contar as suas melhores experiências (aqui, todos os posts das dezenas de blogs participantes). Então...

#boracontarasminhas:

Enquanto as crianças são pequenas, os debates sobre os planos de férias dos pais se dividem entre locais concebidos especialmente para os pequenos (leia-se resorts, parques ou cruzeiros) ou aventuras em que os desafios são manter os petizes alimentados e suficientemente limpos enquanto se faz trekking ou camping.

Quando eles atingem uma idade em que comem de tudo, aguentam firme longas jornadas e - o melhor de tudo! - debatem e preparam os roteiros, o foco muda completamente. Os meus estão nessa fase (considero que entraram nela a partir dos 6 anos), e as melhores viagens passaram a ser não mais as que a gente faz com eles, mas as que eles fazem com a gente. E, valha-nos Deus, eles têm muita opinião!

Nós nunca fomos do tipo pais-incansáveis-que-mantem-seus-planos-e-fazem-com-os-filhos-tudo-o-que-faziam-antes-de-parir. Nós fomos mais do tipo resort, com comidinha de criança, piscina de criança, trocador de criança, tevê a cabo de criança e caipirinha de pais exaustos no final de tarde. E farmácia perto, pelamordeDeus!

Por isso, fizemos a primeira jornada para fora da América do Sul com eles com muito cuidado: escolhemos Orlando, um lugar onde certamente não ficaríamos nada frustrados se não conseguíssemos fazer alguma coisa. Parque não é exatamente nosso sonho de consumo e, por isso, se uma criança com fome se recusando a comer fast food nos fizesse perder uma atração, não ficaríamos NADA tristes. 

Eles tinham 5 e 7 anos, e nos divertimos muito. Eu só tive que subir em uma montanha-russa (minha cota para uma década), eles andaram e andaram e andaram e andaram pelos parques sem reclamar, tomaram chuva na cabeça e comeram comida ruim adorando cada minuto. E aprendendo. Porque o melhor retorno para o investimento emocional de uma viagem em família é maturidade: eles embarcam com uma idade e voltam um ano mais velhos. Ver o mundo opera transformações nas pessoas há centenas de gerações, não falha nunca.

Bem, depois de passar pelo teste Disney, decidimos que era hora de fazer o circuito Elisabeth Arden: Paris, Londres, Nova York. Por várias razões: nós já conhecíamos e sonhávamos em mostrar para eles, todas ofereciam novas coisas que gostaríamos de vivenciar e - o mais importante - eram cidades sobre as quais eles tinham referências em filmes, músicas e livros. Além disso, são locais com boa estrutura e ótimas atrações para toda a família.

E é por isso que esse post é sobre os 3 clássicos, e sobre o motivo de eu considerá-los as melhores viagens das minhas crianças até agora.

1. Paris


Poucos meses depois de Orlando, decidimos ir para a França por 20 dias. Era inverno europeu, mas eu estava tão feliz com a experiência na Flórida que não conseguiria esperar até julho. Planejamos roteiros relaxados (um passeio por dia), hospedagem com boa localização e cozinha (para que pudéssemos voltar ao anoitecer - o que acontece às 16h em fevereiro - e jantar com calma).

Nossa escolha foi o Citadines Saint-German-des-Prés, que tem sofá-cama duplo na sala, cozinha completa e fica ao lado da Catedral de Notre-Dame. Se você tiver sorte, consegue um quarto com vista para o Sena ou para a Torre Eiffel. Além disso, tem lavanderia no subsolo e uma máquina de café e chocolate quente grátis no hall. Eu nunca imaginei o valor que litros de chocolate quente teriam para meus filhos na volta dos dias frios parisienses. Eles saíam do metrô e corriam para o hotel na nossa frente já sonhando com isso.

Vista do quarto no último andar do hotel Citadines Saint-German-des-Prés
Vista do quarto no último andar do hotel Citadines Saint-German-des-Prés
Além disso, um casal de amigos com filhos de idade parecida estava morando em Nantes, e decidimos passar três dias lá para que eles matassem uma eventual vontade de ver gente conhecida e conviver com não-adultos. 

De novo, eles nos surpreenderam: adoraram tudo e absorveram muitíssima informação. Aprenderam a planejar a viagem de metrô, a calcular tempos de espera e deslocamento, a se localizar em um mapa e a procurar o que desejavam ver nos museus. 

Angelina
O maior desafio foi a comida: não lembro de uma só refeição fora do hotel que eles tenham apreciado. A exceção foi o chocolate quente do Angelina, com toda a sua pompa (leia o post sobre o Angelina). No mais, o único sucesso foi o pão francês com manteiga.

Restaurante 58, na Torre Eiffel
Restaurante 58, na Torre Eiffel

Sobremesa na Torre Eiffel, com vista para o Trocadéro
Os passeios preferidos foram os clássicos: Torre Eiffel, barco pelo Sena, trem para Versailles, roda-gigante da Place de la Concorde, a Mona Lisa e as múmias no Louvre, Van Gogh no Museé D'Orsay. Se eu tiver que dar algumas dicas, seriam:
- Suba SIM até o último andar da torre (quanto menos vento no dia, melhor). Na descida, almoce em um dos restaurantes (veja post sobre o restaurante 58 aqui)
- Ande no barco de linha, não pague barco turístico. Dá na mesma e é muito mais barato
- Transforme todo deslocamento em uma aventura
- Nos museus, escolha 10 atrações e só. Tentar ver o Louvre inteiro é insano até para adultos, e o cérebro não vai reter nada. Melhor selecionar as obras que façam mais sentido para os pequenos e apostar nas surpresas que aparecerão pelo caminho
- Só compre passes como o Paris Pass depois de fazer as contas (as atrações que você tem certeza de que conseguirá ver nos dias determinados têm que custar mais caro que o passe)
- Vá ao supermercado e deixe que eles tentem descobrir nas prateleiras produtos similares aos que apreciam em casa e também coisas bem diferentes que gostariam de provar. Novos sabores são souvenires que jamais perdemos ou quebramos
- Vá no ritmo da família. Cada uma tem uma batida. Não adianta ficar com a sensação de que está devendo e ainda voltar pra casa morto de cansado. A viagem em família, para mim, tem dois objetivos: conviver e viver novas experiências juntos. Se isso significa uma tarde inteira na preguiça no hotel vendo desenhos animados em francês, que seja!

As pistas de patinação são gratuitas e têm áreas somente para iniciantes
A melhor atração de todas foi a pista de patinação no gelo na frente do Hôtel de Ville. Essas pistas são montadas durante o inverno em vários pontos da cidade, e adultos e crianças podem levar seus próprios patins ou alugar a um preço baixíssimo. Diversão barata e inesquecível. Um conselho para quem for experimentar: leve um par extra de meias. As que você estiver usando ficarão molhadas.

Gudo-Gudo combatendo o frio enquanto a dona saboreia um sorvete Berthillon num café na Île-de-la-Cité
A melhor lembrança foi o Gudo-gudo, um gatinho de pelúcia que minha filha "resgatou" em uma loja de brinquedos em Île-de-la-Cité. Ele foi esquecido no quarto do hotel quando fomos para Nantes e resgatado pela ótima equipe do Citadines Saint-German-des-Prés, que nos devolveu. Um sobrevivente, o Gudo-gudo.

2. Nova York


No ano seguinte, a parada foi em Nova York. Desta vez, no verão. A ansiedade mais do que justificou a ida anterior para a Europa no frio, mas a experiência demonstrou que aproveitaríamos muito melhor uma viagem com dias mais longos.

Como a data (imposta pelo calendário escolar, ineludível nessa idade) foi julho, a temperatura não estava exatamente agradável. Preciso dizer que, em 2013, o calor em Nova York estava tenebroso. Caminhar duas quadras era um suplício, e qualquer lugar com ar-condicionado multiplicava por dez o seu poder de atratividade.

Essa foi uma boa desculpa para aproveitar e muito todas as atrações de verão que a cidade oferece: fontes de água em todos os parques, passeios de barco para as ilhas próximas (algumas só abrem nessa época), sorvete e, é claro, ar-condicionado.

Piscina com vista para a ONU mas "silenciosa"

Como fiz a viagem com um casal de amigos com filhos e estava sozinha com as minhas duas crianças, ficamos em um  hotel tradicional. O escolhido foi o ONE UN New York, que fica em frente ao prédio das Nações Unidas e tem quartos bem amplos com sofá-cama e ótimo banheiro.

A vista é fantástica, a estrutura do hotel é muito boa, com uma academia ótima e o prédio tem uma das raras piscinas de Manhattan.

Entre os (poucos) pontos negativos, está a distância do metrô e a própria piscina, que as crianças têm que usar sob estritas regras ditadas pelo salva-vidas, fazendo muito silêncio e sem espalhar muita água (foi classificada como "chata" e abandonada como opção de programa).

Vista do nosso quarto de hotel, à esquerda (com o prédio da ONU)
Vista do nosso quarto de hotel ONE UN New York, à direita (com o Empire State e o Chrysler Building
Fizemos o circuito clássico: subimos no topo dos edifícios altos (Empire State e Top of the Rock), fomos MUITAS vezes ao Central Park, nos refrescamos em todas as fontes disponíveis (a melhor delas na High Line) e fizemos as visitas aos museus (sempre escolhendo poucas obras para ver e estando abertos para as surpresas que apareciam no caminho).

Os passeios preferidos foram de barco:

- À Estátua da Liberdade (nunca tinha ido, me alegro de ter esperado para ir com eles e no verão):

Cruzeiro para ver a Estátua da Liberdade
- A Governor's Island, que só abre no verão:

Governor's Island tem atrações nos parques, shows e passeios de bicicleta
Carrossel movido a pedal em Governor's Island
- Cruzeiro dando meia-volta à ilha no horário do por-do-sol:

Cruzeiro em torno a Manhattan, lado oeste
Pôr-do-sol mais do que especial
Ainda na água, o passeio de barco a remo no Central Park:

Remar no Central Park? Sim!
Bem, ainda teve passeio de carruagem, musicais (vimos o Rei Leão e Mamma Mia) e o citytour mais maluco que já fiz: The Ride. Não vou explicar, veja o vídeo:



Compramos o New York City Pass e valeu a pena. Preste atenção nos descontos que eles dão nas lojas de museus e nos passeios de barco, amplificam bastante o benefício.

O amadurecimento nessa viagem foi a experiência de fazer todas as refeições em restaurantes ou pedindo comida no quarto do hotel (o que quase não ocorreu). O cardápio variou de cachorro-quente no Central Park a Wagyu Kobe Beef no badalado restaurante japonês Morimoto. Nesse último, com excursão infantil coletiva ao banheiro high-tech para ver as duchinhas automáticas embutidas no vaso sanitário.

O café da manhã tomávamos no Le Pain Quotidien, a duzentos metros de distância do hotel e já a caminho da Central Station para pegar o metrô para algum lugar.


3. Londres



Em 2014, foi a vez de Londres, também no verão do Hemisfério Norte. Ficamos em dois hotéis diferentes, para aproveitar os dois lados do Tâmisa: primeiro, no Citadines Trafalgar Square. Depois, no Park Plaza County Hall. No meio disso, estivemos em Manchester, Liverpool e Edimburgo. Mas essa é outra história.

No Citadines, tínhamos cozinha e a vantagem de estar perto do metrô e de muitas atrações e museus. Além disso, era fácil comer à noite por causa da quantidade de restaurantes na região.

No Park Plaza, estávamos ao lado das melhores atrações de verão da cidade. Quem vai lá nessa época do ano deve programar pelo menos 2 ou 3 dias para explorar Southbank e andar de bicicleta da London Eye até a Ponte de Londres, parando no caminho para tomar sorvete, apreciar a vista e visitar as atrações turísticas. E tomar banho nas fontes temporárias maravilhosamente pensadas justamente para refrescar as crianças.

London Eye
A London Bycicle Company, em Gabriel's Wharf, aluga bicicletas para crianças
Os passeios preferidos foram na London Eye, no Emirates Air Line (teleférico sobre o Tâmisa), de barco até Greenwich, de pedalinho no Hyde Park, o banho na fonte do Memorial da princesa Diana...

Qual foi a melhor das 3 viagens? A última, sempre. E a próxima. E a boa notícia é que agora meu voto é minoritário.


Leia todas as postagens dessa Blogagem coletiva do grupo Viagens em Família e escolha a sua:




3- Viagens que Sonhamos - Francine Agnoletto








11 - Pezinho na Estrada - Anna Karla Moura Ramos - http://pezinhonaestrada.com/2015/02/22/blogagem-coletiva-top-five/

12- Mamãe Tagarela - As Melhores Viagens de Pititico - http://www.mamaetagarela.com/as-melhores-viagens-de-pititico/











23- Ases a Bordo - Ana Luiza Ogg Strauss & André Strauss - http://www.asesabordo.com.br/top5/

24 - Lala on the road - Manuela Andrade - http://www.lalaontheroad.com/?p=591

25 - Para a Disney e Além! - Carlos e Isabel Monteiro - http://www.paraadisneyealem.com.br/2015/02/blogagem-coletiva-as-cinco-melhores.html

26 - Rascunhos de Fotografia - Jamille Andrade - http://www.rascunhosdefotografia.com.br/blogagem-coletiva/


28 - Colagem - Luciana Misura

29 - Do RS para o Mundo - Andrea Almeida Barros

30- Viajar hei - Patricia Longo Tayão.

31 - Familia Viagem - Simone Hara & Mônica Souza

32 - Cantinho de Ná - Cynara Vianna

33 - Bora com a Gente - Andréa Lopes

34-Os Caminhantes-Marcia Tanikawa

35- A Próxima Parada-  Aressa Baffi

36- Viajando de Carro - Rosângela LVS


38- Roteiro Renatours - Renata Ungier